POSTS RECENTES

novembro 23

SPCVB retoma promoção internacional na Colômbia

CONTINUE LENDO
outubro 25

Com evolução do Room Office, São Paulo se prepara para novo perfil de visitante

CONTINUE LENDO
outubro 14

Casai – Nomadismo Digital

CONTINUE LENDO
Casai - Nomadismo Digital

Relacionamento

14 outubro 2021

Nenhum comentário

Início Imprensa

Casai – Nomadismo Digital

“Unir viagens de trabalho e lazer em uma única experiência de qualidade é tendência crescente”, afirma diretor da Casai no Brasil em evento sobre Nomadismo Digital

Casai, startup latino-americana de hospedagem inteligente, realizou no dia 29/09 webinar para discutir as tendências do ramo de hospitalidade para os próximos anos.

 

A digitalização do mercado imobiliário é um caminho sem volta e o nomadismo digital se tornou ainda mais presente desde o início da pandemia, em 2020, impulsionado pela necessidade de adaptação do mercado de trabalho. Pensando nessa tendência, a Casai – startup latino-americana de hospedagem inteligente – realizou na última quarta-feira (29/9) um webinar para a indústria de hospitalidade com o tema “A digitalização do mercado imobiliário e a crescente tendência do nomadismo digital”.

Com mediação de Mariana Fonseca, coapresentadora e coeditora do Do Zero Ao Topo, a marca de empreendedorismo, gestão e inovação do InfoMoney, o evento online contou com a participação de Luiz Eduardo Mazetto, diretor geral da Casai no Brasil, Diana Quintas, Sócia da Fragomen no Brasil, multinacional especializada em imigração, e diretora Vice-Presidente da Abemmi (Associação Brasileira de Especialistas em Migração e Mobilidade Internacional), e Bel Pesce, empreendedora, best-seller, nômade e hóspede da Casai.

 

Pandemia acelerou tendência que já vinha se expandindo

Para Mazetto, o nomadismo digital é a evolução de uma tendência anterior, uma mudança comportamental que já existia no mercado, o chamado bleisure (business + leisure). “Quando a gente olha para trás, todo o produto e a proposta de valor da Casai foi concebida focando nessa tendência que já existia no mercado de hospitalidade, que são os viajantes que misturam elementos de negócios e lazer em uma mesma viagem. Com a digitalização do trabalho remoto a linha entre viajar e morar se tornou mais tênue e, quando a gente une negócios e lazer com a possibilidade de fazer uma viagem de dois ou três meses, a gente nota uma aceleração da tendência que chamamos de nomadismo digital”, conta.

Ainda de acordo com Mazetto, a digitalização do mercado imobiliário vai além de trazer dispositivos tecnológicos para dentro dos imóveis e está presente até mesmo nos elementos físicos. “No fim do dia, o nômade digital busca estar conectado a todo momento, ao mesmo tempo que quer o conforto da estadia de médio e longo prazo. Percebemos que a Casai consegue trazer essa proposta tecnológica para servir às duas frentes. Existe toda uma consistência da estadia, os apartamentos exclusivos contam com alto padrão de limpeza, kit de amenidades, cozinha equipada entre outros. Por mais que sejam elementos físicos e não digitais, a entrega dessa experiência com qualidade e consistência é feita através de ferramentas tecnológicas para conseguir entregar conforto durante esse período. Precisamos de tecnologia e sistemas internos para entregar tudo isso de forma eficiente e escalável”.

 

América Latina se destaca em Nomadismo Digital, mas Brasil ainda precisa de legislação adequada

O conceito de nômades digitais teve início com pessoas que não tinham uma raiz no trabalho e hoje em dia cada vez mais profissionais de diferentes cargos, setores e níveis têm viajado e trabalhado de forma remota. No entanto, conforme Diana pontua, as adequações da legislação nos países também precisam atender a essa demanda.

“Se estamos falando de um turismo estendido, são viajantes que passam a usufruir de serviços que um turista tradicional não usufruiria, como academia, salão de beleza e escola de idiomas, serviços que são abraçados por pessoas que precisam de mais tempo em determinado local. Hoje em dia temos cerca de 35 milhões de nômades digitais no mundo e 38% ganham mais de R$34 mil por mês, eles chegam a gastar bilhões de dólares por ano. Ou seja, o nomadismo digital é um conceito que mudou muito ao longo dos anos e não tem como a legislação dos países não se adaptarem”, pontua.

De acordo com a executiva, diversos países vêm criando categorias de visto de nômades digitais que consistem, basicamente, em um visto de turista com prazo estendido e a obrigatoriedade de trabalhar para um empregador de fora para que não comprometa o mercado local. O primeiro país a criar um programa para os nômades foi a Estônia, em 2019. Com a aceleração do trabalho remoto e a tendência de pessoas que cruzaram a fronteira e não conseguiram voltar, outros 20 países se adequaram, sendo que 10 estão localizados na América Latina.

“O mercado imobiliário é eficiente, mas as autoridades ainda têm dificuldade de legislar na mesma velocidade. A América do Sul, por exemplo, ainda não tem nenhum país com um programa próprio para os nômades digitais. Portanto, é preciso se atentar ao local escolhido para viajar e saber se o nomadismo é regulamentado para evitar multas ou até mesmo deportações”, explica Diana.

 

Experiências e aprendizados do nomadismo digital

De acordo com Bel Pesce – hóspede recorrente da Casai, os nômades buscam não apenas uma estrutura básica que funcione para a realidade mais conectada dos viajantes, mas também experiências inusitadas. “Eu vivo esse estilo de vida há quase 10 anos e defino o nomadismo como uma vontade visceral de aproveitar o máximo possível de diferentes lugares. Não se trata apenas de poder trabalhar de qualquer lugar, mas de explorar tudo o que cada região tem para oferecer. Acredito que tenha a ver com as conexões verdadeiras e com o significado que eu encontrei, tanto com as pessoas quanto com a cultura local”, conta.

Para Isabel, a possibilidade de personalização da experiência e a flexibilidade de poder receber amigos, cozinhar, fazer reuniões e poder viver de forma fluida é um grande diferencial para esse público.

“O que mais me encanta como nômade é a união da fluidez ao inusitado. E a Casai consegue trazer esses detalhes que aguçam os sentidos, trazendo desde uma curadoria de marcas locais, kit de escova e pasta de dente sustentável, cervejas artesanais na geladeira até o design arrojado e a sofisticação com toque local. Eu já vivi inúmeras experiências em mais de 60 países e é bem bacana ser surpreendida na cidade onde eu nasci com pequenos detalhes que me fazem mais feliz.”

 

Principais tendências para o mercado imobiliário e o nomadismo digital

Com uma visão mais ampla do cenário atual, Mazetto pontua duas tendências voltadas para as necessidades dos nômades que o mercado imobiliário e de hospedagens devem investir daqui pra frente. “Quando pensamos em nomadismo digital, os primeiros destinos que nos vem à cabeça são praias, ilhas e cidades afastadas, porém, recentemente a tendência de destinos menos turísticos e mais urbanos tem crescido dentre esse público.”

Além disso, outra tendência é o senso de pertencimento local, ou seja, os nômades buscam cada vez mais se conectar às culturas, costumes e experiências da comunidade daquela região onde eles estão inseridos.

 

Sobre a Casai: A Casai é uma startup latino-americana sediada na Cidade do México que chega ao Brasil para reinventar o mercado de hospedagem e tecnologia. Com cerca de 400 unidades no portfólio, seus apartamentos de alto padrão com tecnologia smart home estão localizados nos melhores bairros das principais metrópoles da América Latina. A empresa recebeu financiamento de mais de R$300 milhões e inaugurou suas atividades no Brasil em abril de 2021. Mais informações: casai.com/pt

Foto: Casai Pinheiros