POSTS RECENTES

novembro 23

SPCVB retoma promoção internacional na Colômbia

CONTINUE LENDO
outubro 25

Com evolução do Room Office, São Paulo se prepara para novo perfil de visitante

CONTINUE LENDO
outubro 14

Casai – Nomadismo Digital

CONTINUE LENDO
Eventos e Turismo

Fabio

06 maio 2021

Nenhum comentário

Início Imprensa

Academia Brasileira de Eventos e Turismo lança Câmara de Arbitragem

Academia Brasileira de Eventos e Turismo lança Câmara de Arbitragem

O setor de Eventos e Turismo instituiu através da Academia Brasileira de Eventos e Turismo, a primeira CÂMARA NACIONAL DE ARBITRAGEM DOS EVENTOS E TURISMO – CNA EvTur.

 

OBJETIVO DE UMA CÂMARA DE ARBITRAGEM

 

Solucionar, extrajudicialmente, controvérsias e litígios por meio de conciliação e arbitragem, agilizando as pendências entre as partes, com a participação de árbitros “experts” nos Serviços Turísticos e de Eventos, nas diversas atividades do mercado concluindo os processos rapidamente e com força legal.

 

Em todos os contratos de prestação de serviços, há uma cláusula que se elege o Foro de determinada Comarca.

 

Isto significa que quando há controvérsias contratuais, uma das partes entra com um processo junto a uma estância jurídica, que além de seguir os prazos determinados pela justiça, o caso se torna público, o que nem sempre é o melhor caminho para resolver o problema.

 

A vantagem de uma Câmara de Arbitragem é que ela tem a mesma força de uma sentença transitada em julgado proferida pelo Judiciário com menor tempo, menor custo e por profissionais que conhecem com profundidade o setor de atuação.

 

O presidente da Câmara Nacional de Arbitragem dos Eventos e Turismo é Ibrahim Georges Tahtouh – membro da Academia Brasileira de Eventos e Turismo e Diretor da IT Mice e os Árbitros escolhidos, são empresários e executivos com larga experiência no mercado.

 

PROPOSTA

 

A proposta é que para os novos contratos , seja substituída a redação da cláusula estabelecendo uma Comarca, pela Cláusula estabelecendo a Câmara de Arbitragem, e para contratos existentes, um aditivo assinado entre as partes.

 

“ As partes de comum acordo, nos termos do art.4º Caput, parágrafo 1º. e art 5º da Lei 9307/96, por convenção de arbitragem, elegem a Câmara de Arbitragem da Academia Brasileira de Eventos e Turismo- CNA EvTur – inscrita no CNPJ sob o Nº 40.140.529/0001-25 com sede em Alphaville na cidade de Barueri SP, site www.cnaevtur.com.br para que todas as controvérsias que derivem do presente contrato (especificar o objeto ,tipo de serviço etc) sejam resolvidas definitivamente de acordo com a Lei de Arbitragem; por um ou mais árbitros nomeados, renunciando desde já a qualquer outro foro por mais privilegiado que seja.”

 

Os setores que poderão se beneficiar da Câmara Nacional de Arbitragem de Turismo e eventos são:

 

– Agências, Operadoras, Cias Aéreas, Hotelaria, Transporte Marítimo/Fluvial, Transporte Terrestre, Locadoras, Entretenimento, Seguros de Viagem, Tradutores e Intérpretes de Línguas e de Sinais, Congressos, Convenções, Viagens de Incentivo, Feiras, Lançamentos de Produtos, Eventos Artísticos, Corporativos, Promocionais e outros no âmbito dos Eventos.

 

Vantagens de definir a Câmara de Arbitragem nos contratos:

 

• Evitar chegar o nome das empresas/entidades à esfera jurídica e publicação no Diário Oficial;
• Evitar constar positivo em “Ações Judiciais” nas consultas à órgãos como SERASA e outros;
• Não se submeter às 4 Instâncias que temos no Brasil: Juízo Comum; Tribunal Estadual ou Regional; STJ Superior Tribunal de Justiça; STF Supremo Tribunal Federal e seus inúmeros recursos;
• A CNA EvTur aplica os MESC’s (Métodos Extrajudiciais de Solução de Conflitos) que são a Conciliação/Arbitragem;
• Os Contratos são fontes das obrigações e serão analisados em respeito aos Princípios: autonomia, consensualismo, cumprimento e boa-fé.
• Economia de tempo e dinheiro, além de sigilo absoluto;
• Atuação com ética, responsabilidade, disciplina, honestidade e bom senso;
• Respeito ao princípio da Justiça e em favor da Cidadania.
• Pela Lei nº 9.307/96 no seu art. 18: “O Árbitro é juiz de fato e de direito, e a sentença que proferir não fica sujeita a recurso ou à homologação pelo Poder Judiciário”;
• A mesma Lei nº 9.307/96 no seu art. 1º: “As pessoas capazes de contratar poderão valer-se da Arbitragem para dirimir litígios relativos a direitos patrimoniais disponíveis”;
• Ainda na Lei nº 9.307/96 no artigo 23: “A sentença Arbitral será proferida no prazo estipulado pelas partes. Nada tendo sido convencionado, o prazo para apresentação de sentença é de seis meses, contado da instituição da arbitragem ou da substituição do árbitro”.

Faça sua adesão sem custo, através do e-mail: presidencia@cnaevtur.com.br

 

Saiba mais, acesse o site www.cnaevtur.com.br